Goiania / GO - quinta-feira, 18 de outubro de 2018

Perguntas Mamas

 


.

Cirurgia plástica mamária

Mamoplastia redutora (redução) e mastopexia (levantamento dos seios)

 .

  Leia com atenção as observações sobre a cirurgia de aumento das mamas e familiarize-se com as questões mais freqüentemente dirigidas ao seu cirurgião plástico.

· P: A cirurgia das mamas deixa cicatrizes?

· Sim. Dependendo do tipo de técnica, ela pode se localizar ao redor de toda a aréola, estendendo-se verticalmente para baixo até o sulco infra-mamário (dobra que se forma entre os seios e o tórax) e daí para um ou ambos os lados da mama, acompanhando o sulco infra-mamário. Chamamos de cicatriz em  “L” ou “T” invertido. Apesar de muito extensas, elas podem ficar bem disfarçadas em pacientes que apresentem uma boa cicatrização. Freqüentemente posicionamos as cicatrizes em locais em que pareçam menos perceptíveis. Para melhor esclarecer sobre a evolução cicatricial, entenda os períodos que se seguem:

a- Período imediato: Vai até o 30º dia e apresenta-se com aspecto excelente e pouco visível. Alguns casos apresentam discreta reação aos pontos ou ao curativo.

b- Período mediato: Vai do 30º dia até o 12º mês. Nesse período haverá espessamento natural da cicatriz, bem como mudança na tonalidade de sua cor, passando de avermelhada para arroxeada e vai aos poucos clareando. Esse período, o menos favorável da evolução cicatricial, é o que mais preocupa as pacientes. Como não podemos apressar o processo natural da cicatrização, recomendamos às pacientes que não se preocupem, pois o período tardio se encarregará de diminuir os vestígios cicatriciais.

c- Período tardio: Vai do 12º ao 24º mês. Nesse período, a cicatriz  torna-se mais clara e menos consistente, atingindo assim o seu aspecto definitivo. Qualquer avaliação do resultado definitivo da cirurgia das mamas deverá ser feita após esse período.

· P: Onde se localizam as cicatrizes?

· R: Ao redor da aréola apenas é muito pouco comum; também é incomum a localização apenas ao redor da aréola e com um componente vertical para baixo até o sulco (dobra) formado entre a mama e o tórax, na parte inferior da mama (apenas nas mamas pequenas em que se pretenda levantar com a colocação ou não de próteses de silicone). As cicatrizes localizam-se mais comumente ao redor de toda aréola, extendendo-se para baixo até o sulco (dobra) e lateralmente até a axila (cicatriz em “L”) ou, mais comumumente nas mamas maiores, extendendo-se para os dois lados, acompanhando todo o sulco de um lado ao outro da mama (cicatriz em “T” invertido). Desde os primeiros dias pós-operatórios, poderá ser usado um decote mais generoso, se o sutiã assim o permitir, pois o bom posicionamento das cicatrizes ajuda a disfarçá-las. Seu cirurgião irá informar sobre a cicatriz esperada para o seu caso. Entenda bem o que lhe for dito, tirando todas as dúvidas, pois cicatrizes são para sempre.

· P: Algumas pacientes ficam com cicatrizes muito visíveis?

· R: Certas pacientes apresentam tendência à cicatrização hipertrófica ou quelóide, que são cicatrizes extremamente inestéticas. Essa tendência, entretanto, poderá ser avaliada primariamente na consulta inicial, quando são feitas perguntas sobre sua vida clínica pregressa e a análise de características familiares que auxiliam no prognóstico das cicatrizes. Geralmente pessoas de pele clara não apresentam fortes tendências a esse tipo de cicatrização; são as pessoas de pele morena e as orientais que têm maior predisposição ao quelóide ou à cicatriz hipertrófica. Isso não é uma regra absoluta. A análise dos antecedentes, como já o dissemos, facilitará o prognóstico cicatricial, assim como a análise de cicatrizes prévias. Ainda assim, nunca teremos certeza a respeito da real evolução de uma cicatriz, até que ela aconteça.

· P: Existe correção para as cicatrizes hipertróficas e quelóides?

· R: Vários recursos clínicos e cirúrgicos nos permitem melhorar cicatrizes inestéticas, na época adequada. Não se deve confundir, entretanto, com a evolução natural do período mediato da cicatrização. Qualquer dúvida a respeito da sua evolução cicatricial deverá ser esclarecida com o seu cirurgião, que fará a avaliação do estado em que se encontra a cicatriz.

· P: Como ficarão minhas novas mamas, em relação ao tamanho e consistência?

R: As mamas terão seu volume modificado através da cirurgia, o que freqüentemente melhora sua consistência e forma. A preservação da harmonia entre o volume das mamas e o tamanho do tórax é que determinará uma maior naturalidade do resultado, aspectos a serem discutidos  com o seu cirurgião durante a consulta.

 A mama operada passará por vários períodos evolutivos:

a- Período imediato: vai até o 30º dia. Apesar das mamas apresentarem um aspecto bastante melhorado, sua forma ainda está aquém do resultado planejado. Lembre-se desta observação: “nenhuma mama será ‘perfeita’ no pós-operatório imediato”.

b- Período mediato: vai do 30º dia até o 3º mês - Nesse período, a mama começa a apresentar uma evolução que tende à forma definitiva. São características desse período uma maior resolução do edema ("inchaço") das mamas. A região superior “esvazia-se” um pouco mais e a inferior é mais preenchida, estado que se completará no período tardio.

c- Período tardio: vai do 3º até o 18º mês. É o período em que a mama atinge seu aspecto definitivo (cicatriz, forma, consistência, volume e sensibilidade). Nesse período costumamos fotografar as pacientes a fim de comparar com o pré-operatório. É de grande importância para o resultado final o grau de elasticidade da pele das mamas. A aréola, que estava posicionada um pouco mais abaixo do ápice do cone mamário, assume uma posição de maior naturalidade devido à báscula mamária (movimento do tecido mamário que se desloca da região superior da mama para preencher a região inferior). O equilíbrio entre ambos varia de caso para caso e determina maior ou menor equilíbrio estético do resultado final.

· P: Em quanto tempo atingirei o resultado definitivo?

· R: Apesar do resultado imediato mostrar uma melhora volumétrica da mama, somente no período tardio é que as mamas atingirão sua forma definitiva.

· P: Que tipo de maiô de banho poderei usar após a cirurgia?

· R: Nos períodos mediato ou tardio, qualquer tipo de maiô ou biquini (1 ou 2 peças) desde que a peça superior não deixe exposta a cicatriz. No período tardio, após o amadurecimento das cicatrizes, os biquinis poderão ser mais decotados, a seu critério. Após o período tardio a cicatriz poderá ser exposta ao sol com a devida proteção solar e nos horários recomendados.

· P: No caso de gravidez, o resultado permanecerá ou ficará prejudicado?

· R: O resultado poderá ser parcialmente preservado desde que seu peso seja muito bem controlado por um especialista durante a gestação. Habitualmente existirá uma pequena sobra de pele caso for essa a tendência do seu organismo, mesmo sem a cirurgia, ou seja, as características de espessura, densidade e elasticidade da pele devem ser sempre levadas em consideração. Não são comuns os relatos de interferência na lactação (amamentação) após a realização dessa cirurgia, uma vez que a cirurgia preserva o tecido mamário (glândula mamária).

· P: O pós-operatório desta cirúrgica é doloroso?

· R: Freqüentemente não. O relato de dolorimento na região manipulada pode ser minimizado com uso dos analgésicos prescritos. Vale lembrar que a menor ou maior intensidade de dor depende do cumprimento de todas as recomendações médicas, principalmente no que se refere à movimentação dos braços nos primeiros dias.

· P: Há perigo nessa cirurgia?

· R: A cirurgia plástica mamária é um procedimento seguro e raramente envolve algum tipo de complicação grave, visto que é feita uma preparação cuidadosa da paciente para a cirurgia.

· P: Qual o tipo da anestesia utilizada?

· R: Anestesia geral, peridural com sedação ou local, dependendo do caso.

· P: Quanto tempo dura o ato cirúrgico?

· R: Dura em média 3 a 4 horas. Entretanto, o tempo do ato cirúrgico não deve ser confundido com o tempo de permanência do paciente no ambiente de Centro Cirúrgico, que envolve também o período de preparação anestésica e recuperação pós-operatória. Seu médico poderá lhe informar melhor quanto ao tempo total.

· P: Qual o período de internação?

R: De 12 a 24 horas.

· P: São utilizados curativos?

· R: Sim. Curativos com gaze estéril e fita microporosa. São trocados diariamente pela própria paciente, sem qualquer dificuldade, a partir do 2º dia após a cirurgia. Os sutiãs são orientados de acordo com cada tipo de mama.

· P: Quando são retirados os pontos?

· R: Geralmente são utilizados pontos que são retirados entre o 7º e 14º dia pós-operatório.

· P: Quando poderei tomar banho completo?

· R: No dia seguinte à cirurgia. Tudo irá depender da evolução da sua cirurgia, observando-se apenas os cuidados especiais que serão orientados pelo seu cirurgião.

· P: Qual a evolução pós-operatórla?

· R: Até que se atinja o resultado esperado, diversas fases são características desse tipo de cirurgia, como informamos anteriormente. Entretanto, poderá lhe ocorrer o desejo pelo resultado final antes do tempo previsto. Não faça disso motivo de sofrimento. Seja paciente. Toda e qualquer preocupação de sua parte deverá ser transmitida ao seu cirurgião, que dará todos os esclarecimentos necessários para que se sinta segura. Em algumas pacientes ocorre uma certa ansiedade nessa fase, decorrente do aspecto transitório (edema, insensibilidade, aspecto cicatricial, etc.). Fique tranqüila e lembre-se de que nenhum resultado deverá ser considerado definitivo antes dos 12 ou 18 meses.  

· P: Quando poderei retornar aos meus exercícios físicos?

· R: Depende do tipo de exercício. Aqueles relativos aos membros inferiores poderão ser reiniciados após 14 dias, evitando-se os exercícios de impacto. Exercícios que envolvam o tórax devem aguardar por 30 dias e os de membros superiores somente após o 3º mês.

· P: O tamanho da aréola muda após a cirurgia?

· R: Sim. Para a realização da cirurgia é necessário mudar o tamanho da aréola e freqüentemente haverá diminuição do seu tamanho. Pequenas distorções na forma poderão também ocorrer. Pergunte sempre ao seu cirurgião o quanto ela será reduzida, caso queira que se reduza um pouco mais ou um pouco menos.

· P: O que são as “orelhas” numa cicatriz?

· R: São o resultado da redundância (excesso) de pele nas extremidades da cicatriz. Pequenas redundâncias geralmente desaparecem e, caso persistam após o resultado definitivo, poderá ser necessária uma pequena correção para atenuar seu efeito.

.